Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Chrome’

Como a Paulinha disse aqui na segunda-feira, a gente nunca achou que Google precisasse de propaganda, mas afinal, ele tem um novo serviço e nem todos conhecem.

Duas perguntas ficaram no ar: Mas e aqueles que não usam a Internet como instrumento do trabalho? Como eles mudariam de navegador? E acrescento.. Como mudar o habito desses que há anos usam o Internet Explore?!

Nada como apelar para o maior meio de massa em horário nobre, com filmes que comovem qualquer brasileiro, como esse que a Paulinha mostrou e como esse aqui de hoje!

Até o Chá!

Bjs

Read Full Post »

Confesso, não sou nada Early Adopter. Gosto muito de novidade, mas sou um pouco resistente a mudanças. Especialmente quando ao assunto é internet. Surge tanta coisa nova a cada dia por aqui que eu prefiro esperar para ver se vinga ao invés de sair correndo e dar de cara com um Google Wave da vida. Por isso, até hoje não tinha instalado o tão bem falado (e já nada novo) Google Chrome. Fico sempre de testar, mas o Safari está aqui, com o Top Sites que eu amo tanto…

Mas essa semana minha curiosidade pelo novo clipe do OK Go (já falamos deles aqui), “All is Not Lost”, falou mais alto e eu baixei o navegador, já que o vídeo só roda em Chrome. Postamos no Facebook até, mas acho que vale o post. Gostei muito a maneira como eles usaram multiplas janelas e a interação no final é bem bacana, ainda que simples. Portanto, se ficou curioso baixe o Chrome caso já não tenha (é rápido e “de grátis”), e não deixe de escrever alguma frase como é pedido no começo. O vídeo demora um pouco para carregar mas vale a espera pois é uma experiência diferente e bem legal. Dica: o ideal é que sua frase não tenha palavras grandes demais e nem palavras demais, por sinal. Calma, você vai entender!

O OK Go, mais uma vez mostra que é muito bom de fazer clipe, embora eu acabe nunca mais ouvindo as músicas deles novamente, e o Google Chrome com certeza aumentou o número de instalações. Pessoas que, como eu, não se aguentaram de vontade de ver o clipe e que eventualmente vão testar o navegador no dia-a-dia também. Parceria esperta essa.

Ah, você até pode tentar ver em outro navegador, mas eu desisti. No Safari depois de três minutos o carregamento não tinha ainda nem saído de 0%.

Ah, e eu não me aguentei né?

Read Full Post »

Existe um fenômeno na comunicação que eu gosto de chamar de claudialeiterização. É quando alguém se expões demais e transforma sua imagem em carne de vaca. Teve uma época, não muito distante, que para onde quer que você olhasse, você via a Cláudia Leitte. Ela era capa de três revistas diferentes por semana, garota propaganda de umas cinco marcas, estava fazendo show em pelo menos um programa de auditório de cada emissora de TV aberta e ainda estava em cima do trio elétrico na Bahia. Overdose total. Para ela, isso tem o lado positivo de ter faturado uma bela grana, mas também teve o lado negativo de, na minha opinião ter desgastado muito sua imagem. Para as marcas, eu acho que o resultado é pior ainda. A empresa paga uma nota para ter uma artista na sua campanha, mas acaba que ela não vira um porta voz tão marcante assim, afinal, no mesmo break comercial ela aparece defendendo outro produto, ainda que de outra categoria.

Vamos lembrar alguns? Teve Cládia Leitte em comercial de Guaraná Antártica, Cláudia Leitte para Net, Cláudia Leitte para Always, Cláudia Leitte para o Leite Moça, Cláudia para Cor&Tom, Cláudia para Jequiti (?), Cláudia para Grendha, Cláudia Leitte para Aymoré, participação de Cláudia Leitte no comercial de natal do Morumbi Shopping, (respira, ainda tem) Cládia Leitte para Cenoura&Bronze e, olha, parei a pesquisa aqui senão eu não terminava esse post. Mas acho que deu para perceber o que eu quero dizer, certo?

Aqui no Brasil outra pessoa que eu achei que passou por uma cladialeiterização foi a Ana Hickmann. Ela já fez comercial de tudo quanto é coisa acabou perdendo um pouco aquele ar de glamour que tinha por ser modelo. Lá fora, sinto que a Anne Hathaway tá quase indo nessa. Foi filme, Oscar, Saturday Night Live…e, além dela, outra artista que, de repente está se claudialeiterizando é a Lady Gaga. Justo ela que luta tanto para se diferenciar.

Você pode não gostar dela, da música dela, das roupas dela, dos clipes dela. Mas o fato é que não tem como não admirar uma pessoa que em pouquíssimo tempo chegou e dominou a indústria pop mundial. E, na minha opinião, grande parte desse processo foi construído em cima de uma aura de mistério. Quem será que é de verdade essa Lady Gaga? Uma coisa meio Michael Jackson 2.0, sabe? Mas, em 2011 tenho visto tanta coisa envolvendo a Gaga que me pergunto se ela não está deixando sua imagem acessível demais e, portanto, comum demais.

Tudo isso me veio na cabeça depois de uma certa overdose de Lady Gaga que começou com o lançamento de seu novo disco, Born This Way, pela curiosa presença da cantora no FarmVille, onde você pode encontrar itens temáticos e ganhar download das músicas do novo álbum e passou pela sua polêmica presença como mentora do American Idol (onde os saltos de seu sapato que imitavam um pênis foram censurados) e agora até no comercial do Google Chrome.

Eu até acho que muitas dessas presenças são relevantes e até surpreendentes, como no caso do FarmVille, mas estou aqui me perguntando se ela não está chegando perto de uma claudialeiterização sem volta. Porque Lady Gaga tem músicas bacanas, e um público fiel, mas muito do que ela é hoje, ela deve a sua imagem e desgastar isso com tanta aparição “patrocinada” pode trazer algum prejuízo. O tempo vai dizer.

Read Full Post »